terça-feira, abril 6

Back to the 60's

Ando pela calçada com a mão no bolso, chutando uma pedrinha aqui e ali, pensando e sentindo meu coração apertado. Logo ali, uma velha canção. Uma canção dos Beatles que me fez sentir saudade. Saudade sabe-se lá do que. Parece ser uma saudade do que ainda não veio, daquilo que ainda não chegou.
Penso que não quero ir embora sem ter meu amor desdobrado ao longo dos anos ao som dos Beatles. Quero sentir aquele enjôo na barriga enquanto flertamos ao som de Do you want to know a secret. Receber um bilhete com : “i'll pretend that i'm kissing the lips i'm missing” poderia fazer com que eu acreditasse de fato no amor. Mas então, depois que brigássemos eu poderia curtir a fossa ouvindo don’t let me down. E eu sei que no dia seguinte você chegaria na minha varanda cantando “Here comes the sun, here comes the sun, and I say it's all right” pra dizer que está tudo bem e que estamos de saída. Iríamos até a beira do mar para dançar twist and shout como de costume.
Quero que toque “Love, Love, Love...” quando eu estiver indo ao teu encontro pra nossa tão sonhada cerimônia de casamento. Tudo bem, eu entenderia que você não a quisesse tanto como eu, é claro que você não queria, você é discreto e prático. ‘ Vamos somente morar juntos’ você diria, mas eu responderia que preciso disso.
De noite eu poderia cantar para você :“oh I won't be afraid, Just as long as you stand, stand by me” enquanto você me protegeria do meu bizarro medo do escuro. Mas quando eu quisesse ficar sozinha eu colocaria let it be no nosso velho rádio e você de imediato entenderia a mensagem. Eu entenderia também quando você chegasse do trabalho com aquela sua fantasia de pessoa séria cantando “It’s been a hard day’s night and I’ve been working like a dog”, E iria direto te preparar um banho na banheira e depois te faria uma massagem.
Ouvir você cantando pra mim cant buy me Love quando eu te pedisse para comprar alguma bolsa cara, quem sabe uma jóia.
Sair cantando “Help me, get my feet back on the ground, Won't you please, please, help me “ quando eu estiver no mundo da lua, logo após ler um daqueles meus livros, e por sinal, você morreria de ciúmes dos personagens.
Colocar Hey, jude pra você ouvir quando estiver com algum problema, sabe, só para tentar te colocar pra cima. Então, se não melhorasse, eu iria te levar para algum lugar, para que eu pudesse te lembrar o quanto eu te amo e como só isso realmente importa nas nossas vidas. Decidiríamos então que precisamos de mudanças e faríamos as malas de vez. Mas, indeciso como sempre, você viria cantando “You say you got a real solution.. Well, you know, We'd all love to see the plan” e eu responderia com um simples “Don't you know? it's gonna be alright”.
Estaríamos velhinhos e ainda assim você me pegaria pela mão e iríamos a um campo aberto a onde pudéssemos correr, nos sentir livres e jovens como antes. Nas nossas mentes viria a música strawberry fields forever.
Morreríamos juntos, como Romeu e Julieta. Em nosso velório nossos filhos e netos se lembrariam de como fomos felizes e leriam “But of all these friends and lovers, There is no one compares with you”, porque eles saberiam, todos saberiam, que não teria como existir nada nas nossas vidas mais importante do que o amor que teríamos vivido.

8 comentários:

Luiz Carlos disse...

Cara, eu não teria gostado tanto assim se não ouvisse muito Beatles e não tivesse me identificado em algumas partes. Mas porra, eu ouço e me identifiquei hahaha

É legal parar e pensar em trilhas sonoras mesmo. Beatles é foda.

João Pedro Fontes Zagni. disse...

tipo, assim como o luiz carlos, eu me identifiquei muito!!
adorei teu blog, você escreve muito bem!
eu amo beatles e os movimentos musicais que estavam estourando nas décadas passadas!
amei.

Cadu Borges disse...

Cara!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Que texto sensacional!!!! Você escreve muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito sinistramente, guria!!! Tô bobo. Lindo, lindo, lindo.

Usnave disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Usnave disse...

Conseguir lirismo sem pieguice é talento pra poucos. Sua dose de sensibilidade transborda no texto, associada aos trechos das músicas que fazem parte de sua experiência e demonstram exímia capacidade de articulação. Simplesmente encantador!

Diante do mar de melodrama, uma gota de lirismo ainda resiste.

G.Barud disse...

Caramba, antes de tudo, parabéns pelo blog, achei muito maneiro.
Nossa, parabéns pela escrita. Fascinante mesmo! Acredito eu que cada momento da vida merece uma música. Não dá pra negar, dificilmente uma musica não te lembra uma cena ou alguém.
Achei legal do post também que parecia meio que um clipe sei lá rs
Enfim, parabéns de novo, me amarrei no seu blog, seguirei, e ta na lista dos parceiros do meu blog também =)

www.dicheterruderer.blogspot.com

Beijos!

Kênnia Méleus disse...

Muito lindo o seu blog, Marina. Texto perfeito, simplesmente. Ainda que você não fale de música sempre, sua escrita transpira melodia, um primor. Parabéns.

Cafalchio disse...

Muito legal até para mim que não sou fã de beatles. Me inspira a prestar atenção nas letras :)